Dor no couro cabelo ? A cura está em sua mãos

dor no couro cabeludo
dor no couro cabeludo

Sentir dor no couro cabeludo simplesmente por encostar a cabeça no travesseiro, prender o cabelo, ou mesmo penteá-lo, ou qualquer outra situação é motivo de preocupação. Na maior parte das vezes é fácil contornar esse problema e mesmo nas situações mais complexas tem como resolver e levar uma vida normal.

 

O Poder de Cura das mãos

A cura está nas suas mãos

As mãos curam. Com elas conseguimos evocar o poder curativo da natureza.

Há toda uma simbologia por trás do poder curativo das mãos, não é à toa que as pessoas juntam as mãos na hora da prece.

Mas esse não é o tema central desse artigo, acompanhe essa leitura e você vai entender o motivo de eu ter citado o poder curativo das mãos.

Há pessoas que alegam não sentir exatamente uma dor , mas percebem que possuem uma certa sensibilidade no couro cabeludo. Em qualquer dessas situações é preciso uma investigação.

As causas da dor podem ser mais simples, geralmente decorrentes de maus hábitos, como:

  • deixar o cabelo preso por muito tempo;
  • o uso de shampoos com sulfato (essa substância resseca o couro cabeludo);
  • a realização de progressiva, principalmente com formol;
  • fazer uso prolongado de capacetes, elásticos, presilhas, ou chapéus e bonés apertados;
  • o uso inadequado de chapinhas, baby liss ou secador de cabelos muito próximos à raiz capilar;

Nessas situações, ao cessar a causa, cessa o problema. Algumas medidas simples ajudam como usar cosméticos com ph ácido, lavar os cabelos em água fria.

Ocorre também o caso de pessoas com cabelos mais finos, ou mesmo carecas que sentem dor devido à exposição prolongada ao sol. O uso de filtro solar costuma ser eficaz nesses casos.

Vamos estudar um pouco a anatomia do nosso crânio.

 

ARTERIAS FACIAIS

Artérias faciais

Por essa imagem é fácil perceber como o calibre dos vasos sanguíneos vão diminuindo à medida que subimos para o ponto central do crânio.

Quase sempre, quem relata dor no couro cabeludo tem dor nessa região, quando:

  • ficam com o cabelo muito tempo preso;
  • sujam o cabelo;
  • tem um período de tensão.

Como a irrigação sanguínea diminui nessa região. Mas apenas esse entendimento não é o suficiente.

Acompanhe a explicação a seguir.

Músculos da face

A musculatura facial

Da mesma forma que nos vasos sanguíneos, na parte superior nós temos menos musculatura.

Nós temos nessa região duas faseas que se comunicam. Quando praticamos atividade física intensa sentimos aquela “dorzinha” que é decorrente do derramamento de ácido lático.

No couro cabeludo isso produz dor. São micro inflamações na região da fasea do couro cabeludo.

Nós temos músculos que envolvem o couro cabeludo, eles possuem uma pelicula , um revestimento.  Nosso couro cabeludo tem musculatura principalmente na parte lateral.

Na parte superior tem menos musculatura. Quando estamos agitados ficamos com , stress físico micro inflamações no couro cabeludo pressiona a irrigação sanguínea

Varizes no couro cabeludo

Sim, é possível haver varizes no couro cabeludo

Dor no couro cabeludo e crescimento dos Fios

Há uma correlação entre esses dois fatores já que geralmente a dor é indício de que há uma baixa vascularização no couro cabeludo o que vai influenciar no processo nutritivo do cabelo.

Dor no couro cabelo ? A cura está em sua mãos 1

O couro cabeludo no microscópio

Um dos momentos que os clientes mais gostam na avaliação é quando mostro a eles o couro cabeludo ampliado em um aparelho chamado dermatoscopio.

Nele eu consigo identificar se existe um afundamento capilar ou uma impregnação.

Massagem no couro cabeludo

Ela traz de volta a irrigação no couro cabeludo e diminui o processo inflamatório.

Massagem trás de volta a micro circulação da facea.

Mas então você vai disser que conhece pessoas hiper estressadas que não sentem nada no couro cabeludo.

Isso é possível pois o stress se manifesta em órgãos diferentes variando de pessoa para pessoa. Uns no intestino, outros na pele ou no fígado.

Cada um tem o seu ponto fraco.

Drenagem linfática.

Stress físico e emocional, ele se manifesta de forma diferente para cada pessoa, para alguns ele manifesta-se o intestino,

é possível ficar bem da tricodinia. Drenagem linfática. A massagem deve englobar face e pescoço. Vácuo Terapia.

cabelo preso, sujo

No entanto, existem situações mais complexas como:

  • o desenvolvimento de dermatites;
  • infecções como foliculite ou pediculose;
  • arterita temporal
  • ou até mesmo queda de cabelo.

A Terapia Capilar oferece um arsenal de tratamentos para essas situações

Soro vegetal de bacuri

Produto indicado para acalmar o couro cabeludo. Na minha empresa uso o fornecido pela Ornat

Queda de cabelo e dor no couro cabeludo

Os locais onde ocorre a queda costumam ficar doloridos. Devemos sempre ter em mente que os cabelos tem uma função protetora do couro cabeludo contra o calor, frio e até mesmo a poluição.

Dermatite seborreica

Dermatite, ou eczema, é um conjunto de doenças que causam inflamação da pele. As mais conhecidas são: atópica, seborreica, herpetiforme, alérgica e esfoliativa.

Neste artigo a que nos interessa é a dermatite seborreica. Comum em períodos de temperaturas quentes, que é um fator de crescimento de fungos e de maior atividade das glândulas sebáceas, ela pode ser dividida em: inflamatória, oleosa ou descamativa.

É fundamental saber qual o tipo de dermatite, pois a forma de tratamento será distinta. O couro cabeludo costuma ficar na inflamatória avermelhado, na oleosa mais brilhante e na descamativa há o surgimento de casquinas muito parecidas com a caspa.

É importante esclarecer que dermatite seborreica não é a mesma coisa que casca, embora sejam parecidas. A seborreica é bem mais grave e pode afetar outras regiões como as sobrancelhas, a barba ou o nariz. Outro ponto de distinção entre os dois é que a caspa é seca ao passo que a seborreica é úmida.

 

Alopecia Areata

 

Foliculites

Conhecida popularmente como pelos encravados, consiste na inflação dos bulbos capilares.

Tíneas do Couro Cabeludo

São infecções causadas por fungos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *